Primeira vez na balada? Aprenda como funciona

Está com receio da sua primeira noite na balada? Se liga nas dicas

Se você é um cara caseiro, não é muito de sair e passar noitadas em bares e baladas, esse texto é para você. Primeiramente não há mal nenhum nisso, ok? Mas se decidiu ir pela primeira vez e não faz ideia do que te espera, nós iremos te ajudar, se liga aí calouro.

#1 – Ambiente
Você está indo para uma casa noturna onde encontrará casa cheia, música alta e bebidas caras e se não gosta muito disso, você que está errado de estar lá. É claro que haverá espaço apertado, fila no banheiro, música alta e valores inflacionados. Tudo isso é uma experiência maravilhosa? Claro que não, mas é a proposta de uma balada, você ir beber, dançar, curtir os amigos e aproveitar a solteirice. Ah, área de fumante é para FUMANTES, se você não fuma e resolveu dar uma passeada por lá nada de cara feia.

#2- Vestimenta
Esse quesito depende da balada, afinal cada casa noturna tem seu estilo; Rock, Pop, Reggae, Eletrônica ou Sertanejo. Mas procure sempre ir bem arrumado, nada de camiseta de banda, calça jeans surrada e tênis de academia, você não está indo para um churras. Arrume o cabelo, use um perfume mais intenso, uma camisa bacana e algum acessório para compor o visual. Não esqueça de dar um trato no seu amigo, você não quer uma experiência ruim caso algo a mais aconteça, certo?!

 #3 – Valores

Como já dito acima, nas baladas os produtos são mais caros. Acha ruim? Eu também acho mas infelizmente é comum, então vá ciente que uma Long Neck custa em média 10 reais. Se você gosta de destilados os preços são maiores que a cervejinha. Paga para entrar? Sim! São dois valores, chamados de “Entrada” ou “Seco” e outro de “Consumação”. O primeiro geralmente gira em torno de 10 a 20 reais que você desembolsa somente para entrar na casa. O segundo, custa em média de 35 a 50 reais no qual você também paga para entrar porém tem esse valor disponível na sua comanda para gastar na casa. É importante ressaltar que você só paga quando for embora. Guarde bem sua comanda, pois apesar da lei proteger você de cobranças abusivas em caso de perda, é melhor evitar dor de cabeça.

#4 – Comportamento
É muito importante saber se comportar. Não tenha a impressão que balada é um swing em Sodoma e Gomorra, muitas pessoas vão apenas para dançar e curtir com os amigos, a entrada que você paga não é um passe livre para fazer o que quiser. Tomou um toco? Saia na boa e continue aproveitando a balada. Também não fique isolado no canto dando passinhos tímidos fingindo estar aproveitando a música, vá dançar mesmo, dê risada, puxe papo com desconhecidos e faça amizades. É tímido? Vá na onda dos amigos, deixe eles tomarem a iniciativa de puxar papo e entre no meio da conversa.

#5 – Pegação
Eu sei que você se arrumou todo, está com o cabelinho no grau e passou esse perfume parcelado em 3 vezes somente para um objetivo: Pegar mulher. É, nós homens sempre saímos de casa com a expectativa de se dar bem, é inegável, mas saiba respeitar o limite dela. Trocou olhares com a mina? Sentiu que rola? Vá aborda-la, toque na mão dela levemente e se ela não rejeitar já é um começo, caso contrário por favor não insista, não atrapalhe o rolê dela, tenha maturidade e bom senso para aceitar um “não”. No caso de “sim” chama ela pra dançar e depois só seguir o baile, no meio da dança vocês vão saber a hora de rolar. Também não seja um babaca e queira sair pegando geral pagando de machão, você só estará passando vergonha, acredite.

#6 – Amigo experiente
Uma mini dica que pode te ajudar em todas as outras: Chame um amigo experiente para curtir os rolês com você, ele vai te ajudar nas primeiras vezes.

Bom manos não tem muito segredo, conforme as noitadas vão se tornando rotina em sua vida você vai se acostumando e adquirindo experiência. Bom rolê. Se beber demais, chame um táxi, um Uber ou a sua tia, mas não dirija.

Skateboarder, foodie, audiophile, Saul Bass fan and AIGA member. Acting at the junction of art and mathematics to craft experiences that go beyond design. My opinions belong to nobody but myself.

Post Author: Redação

Skateboarder, foodie, audiophile, Saul Bass fan and AIGA member. Acting at the junction of art and mathematics to craft experiences that go beyond design. My opinions belong to nobody but myself.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *